Resultados cientificamente validados

 O corpo humano recebe diariamente a radiação infravermelha do sol.

O calor infravermelho - desenvolvido no Japão em 1965 pelo Dr. Tadashi Ishikawa - foi primeiro reservado para um uso estritamente médico. O corpo absorve a radiação infravermelha para aumentar a temperatura "de dentro" de modo uniforme e gradual. Os raios infravermelhos penetram profundamente na pele (até 4 cm), causando uma transpiração intensa associada à aceleração da circulação sanguínea e do metabolismo. A transpiração produzida sob o efeito de raios infravermelhos contém 80 a 85% de água e 15 a 20% de toxinas, gorduras e impurezas, ou seja, 5 a 6 vezes mais do que a transpiração normal.

O corpo queima até 900 calorias durante uma sessão de sauna de infravermelhos, o que provoca uma transpiração intensa, idêntica à transpiração gerada durante um grande esforço físico (corrida, ciclismo).

As defesas imunitárias do organismo são reforçadas, o fornecimento de oxigénio e nutrientes aos músculos é melhorado e os tecidos do corpo são enriquecidos com oxigénio.


A sauna de infravermelhos e os diabetes


The effect of leg hyperthermia using far infravermared rays in bedridden subjects with type 2 diabetes mellitus, Acta Medica Okayama, ABRIL 2010 mostra que o aquecimento local em um indivíduo com diabetes parece levar a uma diminuição significativa do stress oxidativo.

Neste estudo, o plasma 8-epi PGF2α, definido como um marcador de stress oxidativo, diminuiu significativamente após o aquecimento local das pernas com raios infravermelhos longos.


Fonte: The effect of leg hyperthermia using far infrared rays in bedridden subjects with type 2 diabetes mellitus, Acta Medica Okayama, APRIL 2010.



A sauna infravermelha e a destoxificação


O método de destoxificação utilizando a sauna de infravermelhos permite a eliminação de toxinas armazenadas nas células adiposas enquanto restabelece o equilíbrio metabólico.Vários estudos clínicos sobre trabalhadores expostos a riscos como os bombeiros demonstram que a sauna aumenta a excreção de metais pesados (chumbo, mercúrio, cádmio) e de produtos químicos lipossolúveis como os policlorobifenilos / PCB (desreguladores endócrinos presentes nos alimentos de origem animal), os bifenilos polibromados / PBB (cancerígenos, mutagénicos, repro-tóxicos), dioxinas, vários medicamentos e pesticidas, favorecendo uma melhoria sintomática simultânea. 


O protocolo de destoxificação inclui: 

- Fazer um exercício físico diário e a seguir uma sessão em sauna de infravermelhos, com pausas curtas para hidratação, para compensar a perda de líquidos e para arrefecer. 

- Tomar vitaminas, minerais, eletrólitos e óleos como os complexos de vitaminas A, D, C, E, B e B1; complexos minerais como o cálcio, magnésio, ferro, zinco, manganês, cobre e iodo; sódio e potássio; uma mistura de óleos poli-insaturados como a soja, nozes e amendoim. Cada um destes programas tem um papel biológico.


Fonte: Etude de Bruno LACROIX Physiologiste, expert en nutrition & micro-nutrition Conférencier international en médecine fonctionnelle, 2013.



A sauna de infravermelhos e a perda calórica


Pesquisas mostraram que uma sessão de 30 minutos pode queimar de 300 a 800 kcal.

Em 1990, a Universidade da Califórnia de Berkeley intitulou a sua carta do mês de outubro "Calor Infravermelho, Consumo de Calorias e Perda de Peso". Segundo o Manuel de Guyton da revista Medical Physiology, uma grama de suor requer 0,586 kcal. A citação do número 7 do Journal of the American Medical Association (JAMA) afirma que "uma pessoa moderadamente treinada pode facilmente perder 500 gramas numa sauna enquanto transpira, consumindo quase 300 kcal - o equivalente a uma corrida numa distância de 3 a 5 km". Uma pessoa com um coração treinado pode facilmente perder de 600 e 800 kcal sem quaisquer efeitos secundários. " A perda de água pode ser compensada pela reidratação, mas as calorias consumidas não. A sauna de infravermelhos ajuda a produzir 2 a 3 vezes mais suor do que uma sauna convencional, o que implica também o aumento impressionante do consumo de calorias. Ao contrário da sauna tradicional, a sauna de infravermelhos permite perder gordura, favorecendo assim a redução da celulite e o emagrecimento.


Fonte: Manuel de Guyton da revista de Medical Physiology "Therapeutic cold and heat", Justus F Lehmann, M.D, A. Williams, A. Wilkin.

A sauna de infravermelhos e a artrite reumática 


Um estudo (4) demonstrou que, em casos de artrose particularmente dolorosa (artrite reumática, espondilite anquilosante), a sauna de infravermelhos reduz significativamente a dor e a rigidez das articulações (em 40 a 60%). Durante o tempo do teste - 4 semanas, com 2 sessões por semana - mais de 88% dos pacientes descreveram a sua condição como "confortável" ou "muito confortável", durante e após a sessão.


Fonte: "Infrared sauna in patients with rheumatoid arthritis and ankylosing spondylitis. A pilot study showing good tolerance, short-term improvement of pain and stiffness, and a trend towards long-term beneficial effects" ‒ Clinical Rheumatology ‒ 2009


A sauna de infravermelhos e o sistema cardiovascular


A sudação, e a estimulação do coração e dos vasos sanguíneos são uma forma passiva de treino cardiovascular.

Vários estudos (em anexo) mostraram que a terapia com a sauna de infravermelhos reduz significativamente a pressão sanguínea. Num estudo realizado pela Universidade do Missouri, Kansas City, os pacientes utilizaram uma sauna de infravermelhos ou uma sauna tradicional. A pressão arterial sistólica passou de uma média de 130,5 para 124 nas pessoas que se submeteram à terapia com a sauna de infravermelhos. Aqueles que foram tratados com uma sauna tradicional não tiveram melhora estatística da pressão arterial; o sistema cardiovascular e seus sintomas clínicos melhoraram em poucos dias. Uma melhor dilatação dos vasos induz o aumento das capacidades físicas, mesmo no caso de lesões coronárias graves que não podem ser  operadas.


Fontes:

1. "Repeated sauna treatment improves vascular endothelial and cardiac function in patients with chronic heart failure" ‒ Journal of American College of Cardiology ‒ 2002

2. "Repeated sauna therapy improves myocardial perfusion in patients with chronically occluded coronary artery-related ischemia" – International Journal of Cardiology ‒ 2013

3. "Safety and Efficacy of Repeated Sauna Bathing in Patients With Chronic Systolic Heart Failure: A Preliminary Report" ‒ Journal of Cardiac Failure ‒ 2005


A sauna de infravermelhos e a depressão


A Universidade do Arizona (Tucson) realizou um estudo entre 2013 e 2015 para avaliar a hipertermia moderada (28,5°C) por infravermelhos em indivíduos que sofrem de "distúrbio depressivo grave". A experiência confirmou o potencial do método como uma ferramenta antidepressiva segura, rápida e de longa duração. O calor sentido na pele ativa regiões do córtex relacionadas com o prazer, que estão precisamente "avariadas" nas pessoas deprimidas. 

A hipertermia aumenta a reação antidepressiva.


Fontes :

"Whole-Body Hyperthermia for the Treatment of Major Depression: Associations With Thermoregulatory Cooling" - The American Journal of Psychiatry - 2013

"Hipertermia Corporal Integral para o Tratamento de Transtornos Despressivos Graves" - JAMA Psiquiatria - 2016